ODS-13
Combate às Mudanças Climáticas

Tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos

  • Áreas em processo de restauração

    Temas Materiais Relacionados:

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Áreas em processo de restauração por unidade - 2019¹ São Paulo Mato Grosso do Sul Espírito Santo-Bahia Maranhão Total
      1 Número total de áreas em processo de restauração² 54,00 108,00 458,00 58,00 678,00
      2 Número total de mudas plantadas para restauração 390.000,00 49.800,00 9.980.000,00 15.200,00 10.435.000,00
      3 Tamanho total de áreas em processo de restauração (km²) 115,28 6,38 202,30 1,23 325,20
      4 Tamanho total de áreas em processo de restauração (hectares) 11.528,00 638,88 20.229,90 122,76 32.519,54

    1. O indicador considera o total restaurado consolidado até 2019.

    2. São Paulo considera 54 áreas, enquanto Mato Grosso do Sul e Maranhão consideram polígonos; e Espírito Santo-Bahia, fazendas.

  • Consumo de combustíveis de fontes renováveis

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Consumo de combustíveis de fontes renováveis, em GJ 2019
      1 Álcool etílico anidro 29.525,42
      2 Álcool etílico hidratado 13.322,39
      3 Biodiesel (B100) 374.125,50
      4 Biomassa 40.724.267,72
      5 Licor negro (lixívia) 172.730.784,12
      6 Metanol renovável 2.649.592,23
      7 Total 216.521.617,38

    Informações complementares:

    Os dados de consumo de combustíveis – levantados pela Suzano de forma majoritariamente automatizada – foram convertidos em consumo energético a partir da densidade básica e do poder calorífico inferiores de cada combustível. Nesse sentido, quando disponíveis, foram utilizados os dados contidos na própria ficha de especificações técnicas do combustível utilizado. Quando não disponíveis, foram utilizados os valores apresentados pelo Balanço Energético Nacional (MME, 2019).

  • Emissões atmosféricas nas operações industriais

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Emissões atmosféricas, em toneladas NOx SOx Material particulado (MP) Enxofre Reduzido Total (ERT)
      1 Suzano 737,00 151,00 327,00 31,00
      2 Rio Verde¹ 25,00 n/d n/d n/d
      3 Limeira 1.158,22 922,75 557,48 9,18
      4 Jacareí 1.424,35 185,71 468,73 19,14
      5 Imperatriz 2.315,05 595,00 267,71 134,26
      6 Mucuri 2.034,87 61,02 803,00 143,00
      7 Aracruz 1.387,79 299,34 852,57 13,22
      8 Facepa Belém² 62,42 80,77 103,04 n/d
      9 Três Lagoas 4.597,86 158,23 951,02 105,21
      10 Total 13.717,56 2.453,82 4.330,55 455,01

    1. Na unidade Rio Verde, temos apenas produção de papel, ou seja, não dispomos de linha de fibra para produção de celulose. Logo, por não haver necessidade, as medições de SOx, MP e ERT não são realizadas.

    2. Na unidade Facepa Belém, a medida de ERT não é feita porque não há caldeira de recuperação.

    Informações complementares:

    Na unidade Facepa Fortaleza, não há emissões estacionárias.

  • Emissões biogênicas de CO₂ (escopo 1)

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Indicador 2019
      1 Emissões biogênicas de CO₂ (escopo 1), em t de CO₂ equivalente¹ 22.805.203,58

    1. O indicador contempla os seguintes gases: dióxido de carbono (CO₂), metano (CH₄), óxido nitroso (N₂O), hidrofluocarbonetos (HFCs) e perfluorcarbonetos (PFCs).

    Informações complementares:

    Foram utilizadas as seguintes referências de fatores de emissões: FGV (2019), IPCC (2007), MCTIC (2016) e MMA (2014). As emissões de cada GEE foram convertidas em tCO₂e pela multiplicação por seu respectivo potencial de aquecimento global, ou Global Warming Potential (GWP – IPCC, 2007; FGV, 2019; WRI & WBCSD, 2017).

    A seleção das metodologias de quantificação, coleta de dados e uso de fatores de emissões foi feita com base nas recomendações da norma ABNT NBR ISO 14064-1 (ABNT, 2007). Além disso, foram utilizados como referência os seguintes documentos para a elaboração do inventário de GEEs da empresa:

     

    • The Greenhouse Gas Protocol: a Corporate Accounting and Reporting Standard, WRI & WBCSD (2004);
    • Guias, orientações e ferramentas de cálculo do Programa Brasileiro GHG Protocol (PBGHGP) da FGV (2020);
    • 2006 IPCC Guidelines for National Greenhouse Gas Inventories, IPCC (2006);
    • Calculation Tools for Estimating Greenhouse Gas Emissions from Pulp and Paper Mills, NCASI (2005).

    Conforme os princípios para a realização de inventários de GEEs, foram utilizados, sempre que possível, dados de medições e fatores de emissões mais próximos da realidade local.

    Em 2019, trabalhamos para a consolidação dos antigos sistemas e processos praticados pela Suzano Papel e Celulose e pela Fibria para a construção do primeiro Inventário de Gases de Efeito Estufa como Suzano S.A. Sendo assim, visando à melhoria contínua do processo, espera-se que a empresa adquira precisão cada vez maior das informações relatadas. Nesse sentido, à medida que maiores níveis de precisão forem obtidos, eventuais ajustes dos dados e informações reportados podem ocorrer ao longo dos próximos anos. Ainda, a comparação de valores atuais com valores apresentados nos anos anteriores pelas antigas empresas é imprecisa – em decorrência das diferenças metodológicas – e poderá ocorrer somente a partir de 2021, quando teremos base de comparação já unificada para a Suzano S.A.

    As emissões biogênicas diretas representaram, aproximadamente, 22,8 milhões de tCO₂ equivalente. A maior parte dessas emissões é decorrente da utilização de lixívia e biomassa para geração de energia nas unidades industriais (fontes renováveis).

  • Emissões biogênicas de CO₂ (escopo 3)

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Indicador 2019
      1 Emissões biogênicas de CO₂ (escopo 3), em t de CO₂ equivalente¹ 30.489,47

    1. O indicador contempla os seguintes gases: dióxido de carbono (CO₂), metano (CH₄), óxido nitroso (N₂O), hidrofluocarbonetos (HFCs) e perfluorcarbonetos (PFCs).

    Informações complementares:

    Foram utilizadas as seguintes referências de fatores de emissões: FGV (2019), IPCC (2007), MCTIC (2016) e MMA (2014). As emissões de cada GEE foram convertidas em tCO₂e pela multiplicação por seu respectivo potencial de aquecimento global, ou Global Warming Potential (GWP – IPCC, 2007; FGV, 2019; WRI & WBCSD, 2017).

    A seleção das metodologias de quantificação, coleta de dados e uso de fatores de emissões foi feita com base nas recomendações da norma ABNT NBR ISO 14064-1 (ABNT, 2007). Além disso, foram utilizados como referência os seguintes documentos para a elaboração do inventário de GEEs da empresa:

     

    • The Greenhouse Gas Protocol: a Corporate Accounting and Reporting Standard, WRI & WBCSD (2004);
    • guias, orientações e ferramentas de cálculo do Programa Brasileiro GHG Protocol (PBGHGP) da FGV (2020);
    • 2006 IPCC Guidelines for National Greenhouse Gas Inventories, IPCC (2006);
    • Calculation Tools for Estimating Greenhouse Gas Emissions from Pulp and Paper Mills, NCASI (2005).

     

    Conforme os princípios para a realização de inventários de GEEs, foram utilizados, sempre que possível, dados de medições e fatores de emissões mais próximos da realidade local.

    As emissões de transporte e distribuição (tanto de insumo quanto de produtos acabados) são as mais representativas entre as outras emissões indiretas da Suzano (escopo 3). Dessas emissões, o transporte de porto a porto, somado ao transporte do porto ao cliente dos produtos exportados, representa cerca de 28%. As emissões de bens e serviços comprados (principalmente por operações terceirizadas) e as emissões por tratamento de resíduos também são significativas.

  • Emissões diretas de gases de efeito estufa (escopo 1) por unidade

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Emissões diretas de gases de efeito estufa (escopo 1) por unidade, em t de CO₂ equivalente¹ 2019
      1 Escritórios (Central e internacionais) 991,96
      2 FuturaGene 0,19
      3 Stenfar e SPP (CDLs) 54,16
      4 Terminais portuários 2,61
      5 Unidades Florestais 138.185,99
      6 UNI Aracruz 281.110,14
      7 UNI Facepa – Belém e Fortaleza 9.107,65
      8 UNI Imperatriz 186.331,21
      9 UNI Jacareí 419.693,95
      10 UNI Limeira 145.870,62

    1. O indicador contempla os seguintes gases: dióxido de carbono (CO₂), metano (CH₄), óxido nitroso (N₂O), hidrofluocarbonetos (HFCs) e perfluorcarbonetos (PFCs).

    Informações complementares:

    Foram utilizadas as seguintes referências de fatores de emissões: FGV (2019), IPCC (2007), MCTIC (2016) e MMA (2014). As emissões de cada gás de efeito estufa (GEE) foram convertidas em tCO2e a partir da multiplicação pelo seu respectivo potencial de aquecimento global, ou Global Warming Potential (GWP – IPCC, 2007; FGV, 2019; WRI & WBCSD, 2017).

    A seleção das metodologias de quantificação, coleta de dados e uso de fatores de emissões foi feita com base nas recomendações da norma ABNT NBR ISO 14064-1 (ABNT, 2007). Além disso, foram utilizados os seguintes documentos como referência para a elaboração do inventário de GEEs da empresa:

     

    • The Greenhouse Gas Protocol: a Corporate Accounting and Reporting Standard, WRI & WBCSD (2004);
    • guias, orientações e ferramentas de cálculo do Programa Brasileiro GHG Protocol (PBGHGP) da FGV (2020);
    • 2006 IPCC Guidelines for National Greenhouse Gas Inventories, IPCC (2006);
    • Calculation Tools for Estimating Greenhouse Gas Emissions from Pulp and Paper Mills, NCASI (2005).

     

    Conforme os princípios para a realização de inventários de GEEs, foram utilizados, sempre que possível, dados de medições e fatores de emissões mais próximos da realidade local.

    Em 2019, trabalhamos para a consolidação dos antigos sistemas e processos praticados pela Suzano Papel e Celulose e pela Fibria para a construção do primeiro Inventário de Gases de Efeito Estufa como Suzano S.A. Sendo assim, visando à melhoria contínua do processo, espera-se que a empresa adquira precisão cada vez maior das informações relatadas. Nesse sentido, à medida que maiores níveis de precisão forem obtidos, eventuais ajustes dos dados e informações reportados podem ocorrer ao longo dos próximos anos. Ainda, a comparação de valores atuais com valores apresentados nos anos anteriores pelas antigas empresas é imprecisa – em decorrência das diferenças metodológicas – e poderá ocorrer somente a partir de 2021, quando teremos base de comparação já unificada para a Suzano S.A.

    As principais emissões diretas da Suzano (escopo 1) estão relacionadas ao consumo de combustíveis fósseis nos equipamentos estacionários das unidades industriais. No entanto, outras fontes de emissões significativas podem ser observadas também nas unidades florestais, a partir do consumo de combustíveis fósseis por fontes móveis presentes nas operações de silvicultura e colheita, assim como pela utilização de fertilizantes nitrogenados e de correção do solo (calagem).

  • Emissões indiretas de gases de efeito estufa (escopo 2) por unidade

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Emissões indiretas de gases de efeito estufa (escopo 2) provenientes da aquisição de energia por unidade, em t de CO₂ equivalente¹ 2019
      1 Escritórios (Central e internacionais) 58,44
      2 FuturaGene 1,52
      3 Stenfar e SPP (CDLs) 250,51
      4 Terminais portuários 166,44
      5 Unidades Florestais 75,78
      6 UNI Aracruz 3.661,91
      7 UNI Facepa – Belém e Fortaleza 2.532,78
      8 UNI Imperatriz 3.214,56
      9 UNI Jacareí 5.940,55
      10 UNI Limeira 24.985,97

    1. O indicador contempla os seguintes gases: dióxido de carbono (CO₂), metano (CH₄) e óxido nitroso.

    Informações complementares:

    Foram utilizadas as seguintes referências de fatores de emissões: FGV (2019), IPCC (2007), MCTIC (2016) e MMA (2014). As emissões de cada GEE foram convertidas em tCO₂e pela multiplicação por seu respectivo potencial de aquecimento global, ou Global Warming Potential (GWP – IPCC, 2007; FGV, 2019; WRI & WBCSD, 2017).

    A seleção das metodologias de quantificação, coleta de dados e uso de fatores de emissões foi feita com base nas recomendações da norma ABNT NBR ISO 14064-1 (ABNT, 2007). Além disso, foram utilizados como referência os seguintes documentos para a elaboração do inventário de GEEs da empresa:

    • The Greenhouse Gas Protocol: a Corporate Accounting and Reporting Standard, WRI & WBCSD (2004);
    • guias, orientações e ferramentas de cálculo do Programa Brasileiro GHG Protocol (PBGHGP) da FGV (2020);
    • 2006 IPCC Guidelines for National Greenhouse Gas Inventories, IPCC (2006);
    • Calculation Tools for Estimating Greenhouse Gas Emissions from Pulp and Paper Mills, NCASI (2005).

    Conforme os princípios para a realização de inventários de GEEs, foram utilizados, sempre que possível, dados de medições e fatores de emissões mais próximos da realidade local.

    As emissões indiretas por aquisição de energia (escopo 2) da Suzano ocorrem em razão da compra de energia elétrica do Sistema Interligado Nacional. Essas emissões são mais representativas nas unidades industriais, principalmente para as máquinas de papel, que demandam abastecimento contínuo de eletricidade.

  • Energia consumida

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Energia consumida, em GJ 2019
      1 Eletricidade 3.429.652,68
      2 Aquecimento 0,00
      3 Refrigeração 0,00
      4 Vapor 0,00
      5 Total 3.429.652,68

    Informações complementares:

    Os dados de consumo de combustíveis – levantados pela Suzano de forma majoritariamente automatizada – foram convertidos em consumo energético a partir da densidade básica e do poder calorífico inferiores de cada combustível. Nesse sentido, quando disponíveis, foram utilizados os dados contidos na própria ficha de especificações técnicas do combustível utilizado. Quando não disponíveis, foram utilizados os valores apresentados pelo Balanço Energético Nacional (MME, 2019). Ainda, o indicador considera somente o montante de energia elétrica importado da rede, não contabilizando o valor de energia elétrica produzida internamente.

  • Energia consumida fora da organização

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Indicador 2019
      1 Energia consumida fora da organização, em GJ 9.214.404,36

    Informações complementares:

    Os dados de consumo de combustíveis foram levantados pela Suzano de forma majoritariamente automatizada – a partir de extração de dados via sistemas internos e solicitações de controle a fornecedores e prestadores de serviço –  e foram convertidos em consumo energético a partir da densidade básica e do poder calorífico inferiores de cada combustível. Nesse sentido, quando disponíveis, foram utilizados os dados contidos na própria ficha de especificações técnicas do combustível utilizado. Quando não disponíveis, foram utilizados os valores apresentados pelo Balanço Energético Nacional (MME, 2019).

    As principais fontes de energia requerida fora da organização estão relacionadas ao consumo de combustíveis para o transporte e a distribuição de insumos e produtos.

  • Energia vendida

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Energia vendida, em GJ 2019
      1 Eletricidade 5.303.394,46
      2 Aquecimento 0,00
      3 Refrigeração 0,00
      4 Vapor 0,00
      5 Total 5.303.394,46

    Informações complementares:

    Os dados de consumo de combustíveis – levantados pela Suzano de forma majoritariamente automatizada – foram convertidos em consumo energético a partir da densidade básica e do poder calorífico inferiores de cada combustível. Nesse sentido, quando disponíveis, foram utilizados os dados contidos na própria ficha de especificações técnicas do combustível utilizado. Quando não disponíveis, foram utilizados os valores apresentados pelo Balanço Energético Nacional (MME, 2019).

  • Gestão sobre emissões atmosféricas nas operações industriais

    Contexto:

    Visando assegurar a redução dos impactos ambientais decorrentes de nossas operações, gerenciamos nossas emissões atmosféricas em total conformidade com a legislação em vigor sobre o tema, ou seja, de acordo com as regulamentações CONAMA, no âmbito nacional/federal, e com as licenças ambientais das operações. Adicionalmente, os padrões estabelecidos pelo IPPC (Integrated Pollution Prevention and Control) e IFC (International Finance Corporation) são internalizados como cenários de benchmarking, assim como diretrizes para que otimizemos nossa gestão sobre o tema, ainda que as metas estabelecidas sejam baseadas em órgão federal. Para isso, a gestão das nossas emissões é monitorada continuamente, sendo os dados obtidos apresentados para órgãos reguladores de cada operação na periodicidade definida e verificados em processos de auditorias internas e externas conforme a ISO 14001:2015.

  • Gestão sobre energia nas operações industriais

    Contexto:

    A matriz energética da Suzano é sustentada, majoritariamente, por fontes renováveis como: biomassa composta por cascas, toretes e rejeitos do processo de picagem da madeira; e biomassa líquida, reconhecida como licor negro, responsável pela geração da maior parcela de energia. Ainda, em algumas unidades, já foi implementado o aproveitamento energético de lodo biológico nas caldeiras de biomassa.

    Em algumas unidades produtivas, há excedente na geração de energia elétrica, o que possibilita sua disponibilização na rede nacional (SIN – Sistema Interligado Nacional), contribuindo para a ampliação do grau de renovabilidade da matriz elétrica brasileira.

    Desta forma, reforçamos o comprometimento da organização em otimizar seus processos dentro dos conceitos da bioeconomia.

  • Habitats protegidos por tipo

    Temas Materiais Relacionados:

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Habitats protegidos ou restaurados, por tipo, em ha¹ 2019
      1 Mata Atlântica 342.980
      2 Cerrado 307.612
      3 Mangue 790
      4 Restinga 9.939
      5 Amazônia 237.167
      6 Total 898.487

    1. Foi utilizada a base atual do Instituto Brasileiros de Geografia e Estatística (IBGE) de biomas e vegetação para intersecção das classes de vegetação da Suzano S.A. Dessa forma, houve um reajuste nas classificações de Cerrado e Mangue.

  • Habitats protegidos por tipo e por unidade

    Temas Materiais Relacionados:

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Habitats protegidos ou restaurados por tipo, em ha - 2019¹ Aracruz/Mucuri² São Paulo³ Três Lagoas⁴ Imperatriz⁵ Total
      1 Mata Atlântica 260.141 79.243 3.596 - 342.980
      2 Cerrado 908 36.058 130.989 139.657 307.612
      3 Mangue 790 - - - 790
      4 Restinga 9.939 - - - 9.939
      5 Amazônia - - - 237.167 237.167
      6 Total 271.777 115.301 134.585 376.823 898.487

    1. Para a composição desse indicador, foi utilizada a Base Atual do IBGE de Biomas e tipos de Vegetação para intersecção das classes de Vegetação da Suzano. Dessa forma, houve um reajuste nas classificações de Cerrado e Mangue. Além disso, os números utilizados para a composição desse indicador foram extraídos da base de geoprocessamento de janeiro de 2020 (após a unificação de sistemas) e, por isso, o valor total de áreas de conservação difere moderadamente do número reportado no indicador “Total de áreas mantidas pela Suzano por tipo de uso do solo” (base dez/2019);

    2. A unidade “Aracruz/Mucuri” inclui áreas na Bahia, no Espírito Santo e em Minas Gerais;

    3. A unidade “São Paulo” inclui áreas nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro;

    4. A unidade “Três Lagoas” inclui apenas áreas no estado do Mato Grosso do Sul;

    5. A unidade “Imperatriz” inclui áreas nos estados do Maranhão, Piauí, Pará e Tocantins.

  • Intensidade de emissões de gases de efeito estufa

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Indicador 2019
      1 Intensidade de emissões de gases de efeito estufa, em t de CO₂ equivalente/tonelada de produto¹ 0,3369

    1. A intensidade de emissões contempla os seguintes gases: dióxido de carbono (CO₂), metano (CH₄), óxido nitroso (N₂O), hidrofluocarbonetos (HFCs) e perfluorcarbonetos (PFCs). Ainda, o indicador inclui as emissões de escopo 1, 2 e 3 e considera a produção total de celulose (celulose de mercado, celulose para papel e fluff) e de papel (papel acabado e tissue).

    Informações complementares:

    Foram utilizadas as seguintes referências de fatores de emissões: FGV (2019), IPCC (2007), MCTIC (2016) e MMA (2014). As emissões de cada GEE foram convertidas em tCO₂e pela multiplicação por seu respectivo potencial de aquecimento global, ou Global Warming Potential (GWP – IPCC, 2007; FGV, 2019; WRI & WBCSD, 2017).

    A seleção das metodologias de quantificação, coleta de dados e uso de fatores de emissões foi feita com base nas recomendações da norma ABNT NBR ISO 14064-1 (ABNT, 2007). Além disso, foram utilizados como referência os seguintes documentos para a elaboração do inventário de GEEs da empresa:

     

    • The Greenhouse Gas Protocol: a Corporate Accounting and Reporting Standard, WRI & WBCSD (2004);
    • guias, orientações e ferramentas de cálculo do Programa Brasileiro GHG Protocol (PBGHGP) da FGV (2020);
    • 2006 IPCC Guidelines for National Greenhouse Gas Inventories, IPCC (2006);
    • Calculation Tools for Estimating Greenhouse Gas Emissions from Pulp and Paper Mills, NCASI (2005).

     

    Conforme os princípios para a realização de inventários de GEEs, foram utilizados, sempre que possível, dados de medições e fatores de emissões mais próximos da realidade local.

    A intensidade de emissões da Suzano em 2019 foi de 0,3369 (tCO₂e/ton de celulose e papel),  considerando as emissões diretas e indiretas da empresa (escopos 1, 2 e 3). O indicador de intensidade de emissões auxilia na identificação de oportunidades que proporcionem melhor eficiência dos processos produtivos da Suzano, principalmente no que se refere à redução de suas emissões por tonelada de produção.

  • Matriz energética

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Composição da matriz energética da Suzano S.A.¹ 2019 (%)
      1 Porcentagem de energia de fontes não renováveis 11,65
      2 Porcentagem de energia de fontes renováveis 88,35
      3 Total 100,00

    1. O cálculo do total de energia consumida é feito a partir da soma da energia proveniente do consumo de combustíveis de fontes renováveis e não renováveis com a energia consumida, subtraindo-se desse valor o total de energia vendida.

    Informações complementares:

    Em 2019, trabalhamos para a consolidação dos antigos sistemas e processos de contabilização do consumo de combustíveis praticados pela Suzano Papel e Celulose e pela Fibria. Sendo assim, visando à melhoria contínua do processo, espera-se que a empresa adquira precisão cada vez maior das informações relatadas. Nesse sentido, à medida que maiores níveis de precisão forem obtidos, eventuais ajustes dos dados e informações reportados podem ocorrer ao longo dos próximos anos. Ainda, a comparação de valores atuais com valores apresentados nos anos anteriores pelas antigas empresas é imprecisa – em decorrência das diferenças metodológicas – e poderá ocorrer somente a partir de 2021, quando teremos base de comparação já unificada para a Suzano S.A.

    A renovabilidade da matriz energética da Suzano em 2019 se mostrou expressiva, tendo 88,35% de sua composição oriunda de fontes renováveis. As principais fontes de combustíveis renováveis da empresa são a lixívia, a biomassa e o metanol, todos oriundos da madeira de eucalipto gerada a partir de nosso modelo de manejo florestal sustentável. Adicionalmente, para a obtenção da composição de nossa matriz energética, foi considerado que o montante de energia elétrica adquirida da rede pública pela companhia tem 84,2% de sua composição proveniente de fontes renováveis, segundo o estudo de Capacidade Instalada de Geração Elétrica do Balanço Energético Nacional (MCTIC, 2019). Ainda, como geradora de energia, a Suzano também exporta uma grande quantidade de energia elétrica excedente ao Sistema Interligado Nacional, contribuindo para tornar a matriz de geração elétrica brasileira cada vez mais renovável.

    Os dados de consumo de combustíveis foram levantados pela Suzano de forma majoritariamente automatizada, sendo convertidos em consumo energético a partir da densidade básica e do poder calorífico inferiores de cada combustível. Nesse sentido, quando disponíveis, foram utilizados os dados contidos na própria ficha de especificações técnicas do combustível utilizado. Quando não disponíveis, foram utilizados os valores apresentados pelo Balanço Energético Nacional (MME, 2019).

  • Outras emissões indiretas de gases de efeito estufa (escopo 3) por unidade

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Outras emissões indiretas de gases de efeito estufa (escopo 3) por unidade, em t de CO₂ equivalente¹ 2019
      1 Escritórios (Central e internacionais) 1.036.603,62
      2 FuturaGene 37,39
      3 Stenfar e SPP (CDLs) 7.414,03
      4 Terminais portuários 2.166,61
      5 Unidades Florestais 162.797,70
      6 UNI Aracruz 1.575,37
      7 UNI Facepa – Belém e Fortaleza 1.619,35
      8 UNI Imperatriz 8.981,21
      9 UNI Jacareí 20.904,82
      10 UNI Limeira 14.833,42
      11 UNI Mucuri 44.501,93
      12 UNI Rio Verde 1.272,54
      13 UNI Suzano 26.031,55
      14 UNI Três Lagoas 182.622,23
      15 Total 1.511.361,76

    1. O indicador contempla os seguintes gases: dióxido de carbono (CO₂), metano (CH₄), óxido nitroso (N₂O), hidrofluocarbonetos (HFCs) e perfluorcarbonetos (PFCs).

    Informações complementares:

    Foram utilizadas as seguintes referências de fatores de emissões: FGV (2019); IPCC (2007); MCTIC (2016); MMA (2014). As emissões de cada GEE foram convertidas em tCO₂e pela multiplicação por seu respectivo potencial de aquecimento global, ou Global Warming Potential (GWP – IPCC, 2007; FGV, 2019; WRI & WBCSD, 2017).

    A seleção das metodologias de quantificação, coleta de dados e uso de fatores de emissões foi feita com base nas recomendações da norma ABNT NBR ISO 14064-1 (ABNT, 2007). Além disso, foram utilizados como referência os seguintes documentos para a elaboração do inventário de GEEs da empresa:

     

    • The Greenhouse Gas Protocol: a Corporate Accounting and Reporting Standard, WRI & WBCSD (2004);
    • guias, orientações e ferramentas de cálculo do Programa Brasileiro GHG Protocol (PBGHGP) da FGV (2020);
    • 2006 IPCC Guidelines for National Greenhouse Gas Inventories, IPCC (2006);
    • Calculation Tools for Estimating Greenhouse Gas Emissions from Pulp and Paper Mills, NCASI (2005).

     

    Conforme os princípios para a realização de inventários de GEEs, foram utilizados, sempre que possível, dados de medições e fatores de emissões mais próximos da realidade local.

    As emissões de transporte e distribuição (tanto de insumo quanto de produtos acabados) são as mais representativas entre as outras emissões indiretas da Suzano (escopo 3). Dessas emissões, o transporte de porto a porto, somado ao transporte do porto ao cliente dos produtos exportados, que estão descritas na categoria Escritórios (Central e Internacionais), representam 28% (totalizando  1.031.345,99 tonCO2eq). As emissões de bens e serviços comprados (principalmente por operações terceirizadas) e as emissões por tratamento de resíduos também são significativas.

  • Outros indicadores de emissões e mudanças climáticas

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Outros indicadores de emissões e mudanças climáticas, em t de CO₂ equivalente - 2019¹ Suzano S.A. – florestas plantadas Suzano S.A. – vegetação nativa Suzano S.A. – total
      1 Estoque de carbono 114.606.195,82 163.381.236,44 277.987.432,26
      2 Remoções -28.826.714,24 -3.345.980,39 -32.172.694,63
      3 Balanço² 0,00 0,00 -11.751.555,64

    1. Os valores de emissões da Suzano são expressos com o sinal positivo (+) para representar o fluxo de carbono para a atmosfera. Já as remoções, bem como o balanço da Suzano, estão expressas com o negativo (-) para representar as remoções de carbono da atmosfera.
    2. O balanço da Suzano considera emissões diretas e indiretas (escopos 1, 2 e 3) e remoções diretas.

    Informações complementares:

    Foram utilizadas as seguintes referências de fatores de emissões: FGV (2019), IPCC (2007), MCTIC (2016) e MMA (2014). As emissões de cada GEE foram convertidas em tCO₂e pela multiplicação por seu respectivo potencial de aquecimento global, ou Global Warming Potential (GWP – IPCC, 2007; FGV, 2019; WRI & WBCSD, 2017).

    A seleção das metodologias de quantificação, coleta de dados e uso de fatores de emissões foi feita com base nas recomendações da norma ABNT NBR ISO 14064-1 (ABNT, 2007). Além disso, foram utilizados como referência os seguintes documentos para a elaboração do inventário de GEEs da empresa:

     

    • The Greenhouse Gas Protocol: a Corporate Accounting and Reporting Standard, WRI & WBCSD (2004);
    • guias, orientações e ferramentas de cálculo do Programa Brasileiro GHG Protocol (PBGHGP) da FGV (2020);
    • 2006 IPCC Guidelines for National Greenhouse Gas Inventories, IPCC (2006);
    • Calculation Tools for Estimating Greenhouse Gas Emissions from Pulp and Paper Mills, NCASI (2005).

     

    Conforme os princípios para a realização de inventários de GEEs, foram utilizados, sempre que possível, dados de medições e fatores de emissões mais próximos da realidade local.

    Em 2019, trabalhamos para a consolidação dos antigos sistemas e processos praticados pela Suzano Papel e Celulose e pela Fibria para a construção do primeiro Inventário de Gases de Efeito Estufa como Suzano S.A. Sendo assim, visando à melhoria contínua do processo, espera-se que a empresa adquira precisão cada vez maior das informações relatadas. Nesse sentido, à medida que maiores níveis de precisão forem obtidos, eventuais ajustes dos dados e informações reportados podem ocorrer ao longo dos próximos anos. Ainda, a comparação de valores atuais com valores apresentados nos anos anteriores pelas antigas empresas é imprecisa – em decorrência das diferenças metodológicas – e poderá ocorrer somente a partir de 2021, quando teremos base de comparação já unificada para a Suzano S.A.

    As áreas de florestas plantadas e vegetação nativa contribuíram com remoções diretas de carbono da atmosfera na ordem de 32,17 milhões de tCO₂ equivalente. Dessa forma, o balanço entre as emissões e remoções diretas da Suzano em 2019 foi de cerca de 13,33 milhões de tCO₂ equivalente removidas. Além disso, as florestas plantadas e as áreas de vegetação nativa mantiveram estocadas 278 milhões de tCO₂ equivalente.

  • Principais impactos, riscos e oportunidades

    Temas Materiais Relacionados:

    Contexto:

    A Suzano conta com uma Política de Gestão Integrada de Riscos, publicada no site de Relações com Investidores. A Gestão Integrada de riscos da Companhia é realizada pela área de Gestão de Riscos em conjunto com as demais áreas de negócio, e tem por objetivo identificar, avaliar, priorizar, tratar, monitorar e reportar os principais riscos associados ao negócio da empresa alinhados à estratégia corporativa, possibilitando a perenidade e continuidade das nossas operações.

    A área de Gestão de Riscos realiza workshops e entrevistas com os principais executivos da companhia com o objetivo de identificar os principais riscos. Posteriormente, os riscos são consolidados em uma matriz e apresentados para todos os Diretores, CEO e Conselho de Administração para definir os riscos prioritários, devendo, para estes, ser aberto ao menos um plano de ação. O monitoramento e a medição dos planos de ação dos riscos prioritários são realizados através de uma análise crítica. O status dos planos de ação é reportado à Diretoria, ao Comitê de Auditoria Estatutário e ao Conselho de Administração.

    O processo de Gestão Integrada de Riscos passa por auditorias de certificação e de clientes, e os resultados obtidos são levados em consideração para bonificação dos colaboradores envolvidos.

    Ao longo do ano de 2019, a área de Gestão de Riscos consolidou as matrizes de riscos da Fibria e Suzano e redefiniu, junto à Diretoria Executiva, Comitê de Auditoria Estatutário e Conselho de Administração os riscos prioritários. Além disso, foram criadas comissões de riscos e continuidade de negócios regionais e corporativa para mapeamento contínuo dos riscos e planos de ação.

    Alguns dos riscos identificados incluem:

     

    Mercado

    O mercado de celulose é cíclico e segue a tendência de preço global, que é determinada pela oferta e demanda de celulose, capacidade global de produção de celulose de mercado e condições de crescimento da economia. O preço também pode ser afetado pela variação cambial de moedas dos principais países de produção e consumo de celulose, alteração dos estoques dos produtores e compradores dada a expectativa de preço no futuro e por estratégias adotadas pelos produtores de celulose que venha a colocar no mercado produtos mais competitivos.

    Adicionalmente, os preços de papel se mostram mais estáveis que aqueles do mercado de celulose, determinado pelas condições de oferta e demanda nos mercados em que são vendidos. Além disso, o preço de papel pode variar devido a uma série de fatores que vão além do nosso controle, incluindo a flutuação do preço de celulose e características específicas no mercado em que operamos. Nós não podemos garantir que os preços de celulose irão se manter nos níveis atuais, mas a gestão adequada das nossas plantas fabris propicia que tenhamos uma vantagem competitiva no custo de produção, além de maior resiliência em momentos de queda de preço. No processo de gestão de riscos de mercado, para mitigação dos pontos acima, são feitas a identificação, avaliação, implementação das estratégias e contratação de instrumentos financeiros de proteção aos riscos. Para administrar os impactos nos resultados em cenários adversos, a Companhia dispõe de processos para monitoramento das exposições e políticas para a implementação da gestão de riscos. As políticas estabelecem os limites e instrumentos a serem implementados com o objetivo de: (i) proteção do fluxo de caixa devido ao descasamento de moedas, (ii) mitigação de exposições a taxas de juros, (iii) redução dos impactos da flutuação de preços de commodities e (iv) troca de indexadores da dívida.

     

    Operações

    A Companhia está sujeita a riscos operacionais que podem acarretar a paralisação de suas atividades, ainda que parcial ou temporária. Essas interrupções podem ser causadas por fatores associados à falha de equipamentos, acidentes, incêndios, clima, exposição a desastres naturais, entre outros riscos. A ocorrência desses eventos pode resultar em danos sérios à nossa propriedade, diminuição significativa da produção, aumento nos custos de produção, até ferimentos corporais ou fatais aos nossos colaboradores ou prestadores de serviços, além de efeitos adversos aos nossos resultados financeiros e operacionais. Adicionalmente, em nossos negócios, dependemos da disponibilidade contínua de redes logísticas e de transporte, como estradas, ferrovias, terminais e portos, entre outros, que podem ser interrompidas por fatores fora do nosso controle, como movimentos sociais, desastres naturais e paralisações. Interrupções no fornecimento de insumos às nossas unidades industriais e florestais ou na entrega de nossos produtos acabados aos clientes podem afetar nossos resultados financeiros e operacionais.

     

    Fatores climáticos

    Mudanças climáticas, como em casos de aumento de temperatura média ou escassez hídrica, podem acarretar perdas significativas de produtividade florestal. Por esse motivo, a Suzano atua em diferentes iniciativas com o objetivo de reduzir e mitigar os riscos de natureza climática, tais como:

     

    • Ações de redução de emissões de gases do efeito estufa: projetos de aumento da eficiência no uso de combustíveis fósseis (quando o uso se faz necessário); redução de raio médio (distância entre as operações florestais e as plantas fabris), o que diminui a distância necessária para o transporte de madeira e, consequentemente, o reduz o consumo de combustível; e procedimentos e planos de ação específicos em caso de queimadas, entre outras ações.
    •  Iniciativas de adaptação às mudanças climáticas: estudos específicos das particularidades de cada região em que operamos e identificação de tendências sobre as condições climáticas, meteorológicas e de solo, de modo a gerarmos recomendações às operações e, até mesmo, orientarmos análises de possíveis expansões; estudos voltados à produção de clones e mudas mais resistentes às variações e extremos climáticos; e elaboração de planos de contingência para cenários mais críticos (como um quadro de possível escassez hídrica nas bacias hidrográficas em que operamos).

     

    Ainda, no aspecto de oportunidades decorrentes desse cenário, através de nossos quase 1,3 milhão de hectares de plantio de eucalipto e 900 mil hectares de mata nativa (além de áreas em diferentes estágios de restauração), sequestramos anualmente quantidade significativa de carbono da atmosfera, fazendo com que nossa contribuição para a solução da crise climática vá além da redução de emissões. Além disso, hoje, 88,35% de nossa matriz energética é sustentada por fontes renováveis, com o excedente produzido sendo comercializado para a rede pública nacional de energia, o que contribui para a ampliação do grau de renovabilidade da matriz elétrica brasileira e, consequentemente, para a mudança desse cenário de crise.

     

    Gestão de riscos e impactos sociais

    Seguindo o Procedimento de Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Sociais, o modelo de gestão de impactos sociais da Suzano busca eliminar, diminuir ou compensar os impactos negativos por meio de práticas de manejo, de investimentos socioambientais e ações contínuas de controle e mitigação, que devem ser previstas em procedimentos operacionais do sistema de gestão da empresa. A equipe de Desenvolvimento Social é a responsável pela coordenação e identificação dos aspectos e impactos sociais, sendo que, a aprovação das análises é realizada pelos gestores dos processos envolvidos e a validação final pelo RISC Local – fórum responsável pela análise e monitoramento dos processos de relacionamento com partes interessadas da região.

    Para a identificação e análise dos aspectos e impactos sociais, são consideradas as demandas de partes interessadas pertinentes oriundas do software SISPART, que possui como fonte de dados o Engajamento e o Diálogo Operacional, entre outros. Anualmente o RISC Local avalia a necessidade de revisão da matriz de impactos sociais, considerando os resultados do monitoramento e avaliação crítica dos processos relacionados ao Plano Anual de Relacionamento com Partes Interessadas, bem como das demandas de partes interessadas levantadas pelo SISPART.

  • Tamanho das áreas com processo de restauração iniciado por unidade

    Temas Materiais Relacionados:

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Indicador São Paulo Mato Grosso do Sul Espírito Santo-Bahia Maranhão Total
      1 Tamanho das áreas com processo de restauração iniciado em 2019 por unidade, em km² - 2019 12,89 1,10 14,24 0,15 28,38

    Informações complementares:

    As áreas em processo de restauração mantidas pela companhia estiveram em diferentes estágios do processo ao final de 2019. Em São Paulo, as áreas estão em processo de regeneração, seguindo boas práticas para conservação. No Mato Grosso do Sul, todas as áreas em questão encontram-se em processo de restauração, havendo a necessidade de atendimento de cronograma de monitoramento e manutenção. No Espírito Santo e na Bahia, por serem inúmeros os polígonos (monitorados, inclusive, segundo duas metodologias distintas), não é possível apresentar o status de forma descritiva. Os indicadores do programa são acompanhados mensalmente, ao passo que o monitoramento ecológico é realizado em uma periodicidade bianual. No Maranhão, todas as áreas estão em processo de restauração, com estágio muito inicial.

    Algumas unidades estudam parcerias com terceiros para realizar a restauração de certas áreas de especial interesse. Em São Paulo, por exemplo, está em elaboração o Projeto Desenvolvimento Socioambiental da Paisagem Florestal, sendo também realizadas parcerias pontuais com o Parque Estadual da Serra do Mar. Na unidade Florestal de Espírito Santo e Bahia, por sua vez, há o Programa Nascentes do Mucuri, que busca promover esforços em educação ambiental e qualificação dos produtores locais para a consolidação de uma cultura de preservação, fomentando o desenho e a solidificação de políticas públicas e parcerias estratégicas para o estímulo de toda a cadeia envolvida no processo, além da restauração propriamente dita de cerca de 2.500 nascentes.

  • Total de áreas mantidas pela Suzano por tipo de uso do solo

    Temas Materiais Relacionados:

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Total de áreas mantidas pela Suzano por tipo de uso do solo, em ha - 2019 Áreas próprias Áreas arrendadas e parcerias Total
      1 Plantio e disponível 699.128,50 576.187,11 1.275.315,61
      2 Destinadas à conservação¹ 481.042,86 405.757,96 886.800,82
      3 Infraestrutura 57.066,40 47.331,71 104.398,11
      4 Total 1.237.237,76 1.029.276,78 2.266.514,54

    1. Os números utilizados para a composição desse indicador foram extraídos da base de geoprocessamento de dezembro de 2019 e, por isso, o valor total de áreas destinadas à conservação difere moderadamente do número reportado no indicador “Habitats protegidos, por tipo e por unidade” (base janeiro de 2020).

  • Total de áreas para fomento por tipo de uso do solo

    Temas Materiais Relacionados:

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Total de áreas para fomento por tipo de uso do solo, em ha 2019
      1 Plantio e disponível 133.538,70
      2 Destinadas à conservação 0,00
      3 Infraestrutura 0,00
      4 Total 133.538,70
  • Total de energia consumida

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Total de energia consumida, em GJ¹ 2019
      1 Combustíveis de fontes não renováveis 28.049.637,02
      2 Combustíveis de fontes renováveis 216.521.617,38
      3 Energia consumida 3.429.652,68
      4 Energia vendida 5.303.394,46
      5 Total 242.697.512,61

    1. O cálculo do total de energia consumida é feito a partir da soma da energia proveniente do consumo de combustíveis de fontes renováveis e não renováveis com a energia elétrica consumida, subtraindo-se desse valor o total de energia vendida. Como energia elétrica consumida, considera-se somente o montante de energia que é importado da rede, não contemplando o valor de energia elétrica produzida internamente – já contabilizado nas outras categorias, já que a energia elétrica produzida internamente é gerada, principalmente, a partir da queima de biomassa.

    Informações complementares:

    Em 2019, trabalhamos para a consolidação dos antigos sistemas e processos de contabilização do consumo de combustíveis praticados pela Suzano Papel e Celulose e pela Fibria. Sendo assim, visando à melhoria contínua do processo, espera-se que a empresa adquira precisão cada vez maior das informações relatadas. Nesse sentido, à medida que maiores níveis de precisão forem obtidos, eventuais ajustes dos dados e informações reportados podem ocorrer ao longo dos próximos anos. Ainda, a comparação de valores atuais com valores apresentados nos anos anteriores pelas antigas empresas é imprecisa – em decorrência das diferenças metodológicas – e poderá ocorrer somente a partir de 2021, quando teremos base de comparação já unificada para a Suzano S.A.

    A renovabilidade da matriz energética da Suzano em 2019 se mostrou expressiva, tendo 88,35% de sua composição oriunda de fontes renováveis. As principais fontes de combustíveis renováveis da empresa são a lixívia, a biomassa e o metanol, todos provenientes da madeira de florestas plantadas de forma sustentável. Adicionalmente, como geradora de energia, a Suzano também exporta uma grande quantidade de energia elétrica excedente ao Sistema Interligado Nacional, contribuindo para tornar a matriz de geração elétrica brasileira cada vez mais renovável.

    Os dados de consumo de combustíveis foram levantados pela Suzano de forma majoritariamente automatizada e convertidos em consumo energético a partir da densidade básica e do poder calorífico inferiores de cada combustível. Nesse sentido, quando disponíveis, foram utilizados para o cálculo os dados contidos na própria ficha de especificações técnicas do combustível utilizado. Quando não disponíveis, foram utilizados os valores apresentados pelo Balanço Energético Nacional (MME, 2019).