Metas de longo prazo

Diante da complexidade dos desafios e das oportunidades existentes, a Suzano construiu sua Estratégia de Sustentabilidade de forma colaborativa, considerando a multiplicidade de visões de seus públicos de relacionamento. Assumimos o compromisso de ampliar nosso papel na cadeia de valor e na sociedade por meio de metas de longo prazo, norteando nosso caminho ao longo dos próximos dez anos, período que a Organização das Nações Unidas (ONU) chama de Década da Ação.

Ser ainda mais climate positive

Remoção Líquida de 40 milhões de toneladas de carbono na atmosfera.

Contexto

As mudanças climáticas são um relevante desafio global. Segundo o relatório anual de Riscos Globais do Fórum Econômico Mundial¹, nos próximos dez anos, os riscos de maior probabilidade estão relacionados às condições meteorológicas extremas, falha na ação climática e danos ambientais causados ​​por humanos. O planeta vem registrando aumentos de temperatura, especialmente devido às ações antrópicas que promovem a emissão de gases de efeito estufa (GEE)*, que resultam em uma série de impactos² em ecossistemas naturais, comunidades e no desenvolvimento de atividades econômicas.

A Suzano tem uma base florestal significativa, com aproximadamente 2,4 milhões de hectares de área total, que inclui plantio de eucalipto e uma das maiores áreas de matas nativas protegidas privadas do Brasil, com aproximadamente 960 mil hectares. Juntos, as florestas nativas e os plantios de eucalipto contribuem diretamente para remoção e estoque de CO₂.

Por isso, temos o compromisso de fazer mais do que neutralizar emissões diretas e da cadeia. Nosso objetivo é remover quantidades adicionais significativas de carbono da atmosfera, contribuindo assim com a mitigação dos efeitos da crise climática global.

 


Escopo:

Remoção líquida de carbono resultante do balanço entre as emissões do escopo 1 (direto), escopo 2 (de aquisição de eletricidade) e escopo 3 (emissões indiretas) e remoção de CO₂ por meio do plantio de eucalipto e áreas de conservação.

Baseline:

0 (2020³).

Horizonte:

Remover 40 milhões de toneladas de carbono, até 2025.


Resultados em 2020:

Considerando o balanço entre as nossas emissões de escopos 1, 2 e 3 e as remoções oriundas das nossas florestas plantadas e conservadas, alcançamos o saldo de 15.200.311,6ton CO₂e removidos da atmosfera em 2020, que representa um atingimento de 3 % da meta.  É esperado que nos primeiros anos tenhamos os maiores volumes de remoção de tCO₂e considerando que a ampliação da nossa base de plantações e áreas de conservação deve ocorrer também nesse período. A tendência é que haja uma desaceleração no volume de remoções na segunda metade do período de execução da meta, porém seguiremos acumulando os resultados para atingimento integral do compromisso de remover 40 milhões de tCO₂e.

Acompanhamento do KPI:

2020
Balanço de CO₂ 15.200.311,6

O que faremos em 2021:

Temos como objetivo alcançar, novamente, um saldo significativo de remoção líquida de carbono, mantendo assim o nosso balanço positivo entre remoções e emissões. Para que isso aconteça, ampliaremos áreas de conservação e de base plantada, conforme ações desenhadas para os primeiros anos da meta.

É importante ressaltar que estas áreas trarão grandes ganhos para a meta nos primeiros anos, devido a expansão significativa de base, e posteriormente, nos anos finais da meta, o nível de remoção diminuirá, sendo suportado pela continua remoção das áreas de conservação. Até 2025, Suzano atuará também para reduzir a intensidade das suas emissões de escopo 1, 2 e 3 por meio da redução do consumo de insumos que geram gases do efeito estufa em toda a nossa operação. Além disso, estudamos possibilidades de geração de créditos de carbono por projetos florestais (eucalipto e nativas) e de engenharia, que podem contribuir com o processo de atingimento da meta.

 

¹ Saiba mais em: http://www3.weforum.org/docs/WEF_The_Global_Risks_Report_2021.pdf
²  Fonte: Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).
3 A Suzano removeu carbono da atmosfera anteriormente mas, para efeito da meta, as remoções serão contabilizadas a partir de 2020.
4 O cálculo de estoques e remoções de gases de efeito estufa em áreas de florestas plantadas e em áreas destinadas à vegetação nativa do ano de 2020 e suas respectivas metodologias foram auditadas por terceira parte conforme os padrões da NBR ISO 14064 e do Programa Brasileiro GHG Protocol, assim como recomendações do Guia de Boas Práticas para Uso do Solo, Mudança de Uso do Solo e Florestas (2003) do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC).
5 Para mais informações sobre a metodologia de contabilização, clique aqui. Para mais informações sobre o contexto e relação da Suzano com as Mudanças Climáticas, acesse a página referente ao tema em nossa Central de Indicadores.