Emissões GEE

Informações detalhadas a respeito das emissões de Gases de Efeito Estufa da Suzano.

  • Práticas e iniciativas para reduzir a intensidade de emissões

    Dimensão Métricas do Capitalismo Stakeholder (WEF)

    Temas Materiais Relacionados

    Contexto:

    A Suzano conta com uma linha de CAPEX destinada exclusivamente a projetos de modernização, que incluem eficiência no uso de combustível, redução no consumo de combustíveis fósseis, redução do uso de energia, compra de equipamentos mais eficientes, entre outros.

    Além disso, a Suzano tem trabalhado na captação de recursos para melhorar o desempenho em projetos socioambientais, como aqueles que permitem a ampliação do uso de energia renovável, otimização da eficiência das caldeiras de biomassa, restauração de florestas nativas e conservação da biodiversidade. Esses projetos são intimamente relacionados ao clima, podendo ser financiados inteiramente ou em parte por receitas líquidas da venda das notas.

    A empresa conta com grupos de trabalhos (GTs) multidisciplinares que desenvolvem projetos com o objetivo de encontrar formas de produção mais eficientes e menos emitentes, como o caso do GT de Recuperação e Utilidades e do GT de Energia, entre outros.

    Para medir e verificar o impacto em emissões dos projetos mais estratégicos, o time técnico identifica riscos e oportunidades e realiza o exercício de incorporar a precificação de carbono na análise dos mesmos, considerando-se cenários de regulação ou oportunidades vinculadas ao mercado de carbono. Para estabelecer os valores de precificação, a Suzano vem mapeando os diferentes valores aplicados em mercados regulados e voluntários e realizando projeções de preços e estudos para novos mecanismos de precificação para, assim, estabelecer um preço para projetos de engenharia e implantação de florestas e um valor para desenvolvimento de novos produtos e negócios (a ser testado). Além disso, a Suzano vem atuando e evoluindo em um projeto para ampliar o uso da precificação interna de carbono.

    Nas unidades industriais, a empresa busca a redução de emissões em retrofits de maquinários antigos e aumento de eficiência  em um movimento gradativo de troca de combustíveis fortemente emitentes (como óleo pesado) para combustíveis menos emitentes (como gás natural ou até mesmo o licor negro), entre outros. Somado a isso, a companhia vem buscando também o aumento na geração de energia renovável (com base em biomassa e licor negro).

    Na área florestal, a empresa visa a redução de emissões por meio do emprego de  tecnologias de ponta ligadas ao uso de equipamentos na operação florestal, no transporte de madeira, e na recomendação de melhor modal e melhor rota de operação. Além disso, executa projetos para  reduzir o raio médio, bem como realiza estudos voltados ao uso de combustíveis alternativos, operação em rotas eficientes, entre outros.

    Para logística de produtos, a companhia considera o emprego de tecnologias que ampliem a eficiência  no transporte, como embarques otimizados (papel e celulose, papel e bens de consumo com outros produtos),a revisão de rotas, e ainda estuda modelos alternativos  visando o uso de combustíveis menos intensos em emissões de gases de efeito estufa, como o emprego de veículos elétricos.

    Vale ressaltar ainda que a Suzano, hoje, já é carbono positiva. Ou seja, as remoções de CO2 da companhia são maiores do que as suas emissões.  Isso ainda soma-se ao fato de que sua operação ocorre exclusivamente em território brasileiro, o que faz com que não exista a necessidade / obrigatoriedade de qualquer medida de compensação. Todavia, a empresa segue investindo e perseguindo constantemente a redução da intensidade de suas emissões e trabalhando para ampliara sua capacidade de remoções.