Gestão de Riscos e Oportunidades

Informações detalhadas sobre os riscos e oportunidades das mudanças climáticas para a Suzano.

Indicadores relacionados
  • Filtrar por categoria

  • 3. Riscos Climáticos da Suzano

    Contexto:

    É necessário se estar atento à identificação e gestão dos riscos impostos pelas mudanças do clima. Estes riscos têm diferentes níveis de materialidade para o negócio da Suzano, de acordo com sua probabilidade de ocorrência e potencial impacto. Aqueles de maior materialidade exigem maior atenção no desenvolvimento de medidas de mitigação. O risco de desabastecimento de energia, por exemplo, vem sendo mitigado pelo aumento da autossuficiência energética da empresa.

    Tais riscos podem ser físicos ou de transição. Os riscos físicos se materializam a partir dos efeitos que o aumento da concentração dos gases do efeito estufa na atmosfera tem sobre ecossistemas naturais e as condições para a vida humana na Terra, podendo ser:

     

    • Riscos Agudos: decorrentes de eventos climáticos extremos (ex: ciclones, furacões, inundações), com aumento da intensidade e frequência; ou
    • Riscos Crônicos: provenientes de mudanças de longo prazo em padrões climáticos, que podem causar, por exemplo, aumento do nível do mar ou constantes ondas de calor.

     

    Estes riscos podem afetar diversas dimensões da cadeia de valor de papel e celulose. O quadro abaixo resume algumas formas de possível materialização destes riscos físicos para a Suzano:

     

     

    Há também riscos decorrentes da necessidade de transição da sociedade para uma economia de baixo carbono. São os riscos de transição, que podem ser:

     

    • Regulatórios e legais: decorrentes de mudanças regulatórias que incentivem a transição para uma economia de baixo carbono ou decorrentes do risco de litígio relacionado à suposta contribuição, mesmo que indireta, para intensificação das mudanças climáticas;
    • Tecnológicos: decorrentes do surgimento de melhorias e inovações na direção de uma economia com maior eficiência energética e de baixo carbono;
    • De mercado: decorrentes de mudanças na oferta/demanda de certas commodities, produtos e serviços à medida em que questões relacionadas ao clima passam a ser consideradas nas tomadas de decisão; ou
    • Reputacionais: relacionados a mudança de percepções dos clientes e da sociedade de maneira geral em relação à contribuição positiva ou negativa de uma organização para uma economia de baixo carbono.