Gestão de Riscos e Oportunidades

Informações detalhadas sobre os riscos e oportunidades das mudanças climáticas para a Suzano.

Indicadores relacionados
  • Filtrar por categoria

  • 4. Oportunidades Climáticas da Suzano

    Contexto:

    Por outro lado, a necessidade de produtos, serviços e práticas que contribuam com a redução das emissões antrópicas de gases de efeito estufa e com a adaptação da sociedade às mudanças climáticas representam também oportunidades de negócios para a Suzano. Inclusive, a Companhia se posiciona de maneira a converter alguns potenciais riscos ao setor em oportunidades de negócios. Um dos exemplos é a precificação de carbono, da qual a Suzano pode ser beneficiada por realizar a captura de CO2 das suas plantações de eucalipto e florestas nativas. Em cenários de mercado de carbono, a Companhia é capaz de ofertar créditos, gerando receita a partir desta prática.

    A lista a seguir resume algumas destas oportunidades, em diferentes dimensões:

     

    Acesso a mercados

    • Comercialização de créditos de carbono oriundos de aumento do sequestro das florestas e redução das emissões;
    • Emissão de debêntures ASG, verdes ou sustentáveis, lastreados em ativos florestais e projetos de mitigação e adaptação às mudanças climáticas;
    • Acesso a empréstimos verdes ou vinculados a indicadores de performance ASG (ambiental, social e de governança);
    • Remuneração pela prestação de serviços ambientais, na conservação e recuperação de ecossistemas florestais e recursos hídricos;
    • Maior acesso de produtos de base florestal em mercados onde os consumidores rejeitem plástico single-use ou, ainda, em localidades que sua proibição seja regulamentada.

     

    Eficiência no uso de recursos

    • Redução de custos e dependência de captação hídrica a partir de práticas de que aumentem a eficiência das plantas industriais;
    • Redução de custos e dependência de energia a partir de práticas de que aumentem a eficiência das plantas industriais;
    • Redução de custos pelo reaproveitamento de resíduos com maior valor agregado (ex: dregs/grids transformados em corretivo de solo, reduzindo necessidades de compra de cal).

     

    Fontes de energia

    • Redução no custo de produção resultante do aumento da geração de energia renovável por fontes próprias, e redução do consumo de insumos energéticos, como combustíveis(gás natural, diesel, etc.) ;
    • Aumento do grau de autossuficiência energética da Suzano a partir do aumento da eficiência na geração energia renovável pelas plantas industriais;
    • Redução no custo de produção resultante do aumento das tarifas de energia em cenários de hidrologia desfavorável, aliado a aumento de carga no sistema brasileiro (em caso de superávit energético da companhia).

     

    Novos produtos e serviços

    • Aumento da oferta de produtos de origem florestal (ex: MFC¹, biocompósitos² e novas embalagens de papel) em substituição àqueles derivados do petróleo;
    • Oferta de produtos de origem florestal em substituição àqueles que demandam maior uso de água e produtos químicos na produção (ex: MFC transformada em fibra têxtil que pode substituir algodão);
    • Aumento do valor agregado das entregas aos clientes a partir da neutralização de carbono de parte dos produtos;
    • Pagamento por serviços ambientais associados à manutenção de recursos hídricos e vegetação.

     

    Resiliência

    • Redução de custos e da vulnerabilidade gerada pela dependência de energia elétrica de fontes de terceiros a partir do aumento da autoprodução de energia renovável;
    • Uso de mudas mais resilientes e adaptadas aos efeitos das mudanças climáticas, como variação de temperatura e menor disponibilidade hídrica.

     

    1. Celulose Microfibrilada: usada nos setores de papel e celulose, tintas, cosméticos e têxtil. Ela é transformada em um tecido de alta qualidade pela Spinnova e pode substituir outras fibras como a viscose ou o algodão. 2. Biocompósitos: materiais de fonte renovável (ex: bio-óleo e lignina) que substituem parcela significativa da matéria-prima de origem fóssil em aplicações distintas em diversas indústrias, como automotiva, embalagens e bens de consumo.