ODS-06
Água limpa e saneamento

Garantir disponibilidade e manejo sustentável da água e saneamento para todos

Indicadores relacionados
  • Filtrar por ODS

  • Filtrar por tag

  • Gestão sobre água e efluentes nas operações florestais

    Temas Materiais Relacionados

    Contexto:

    Atualmente, cerca de 75% dos recursos de água doce acessíveis do mundo dependem de bacias hidrográficas florestadas. Portanto, as florestas são infraestruturas naturais vitais para o abastecimento de água doce, e seu manejo pode fornecer “soluções baseadas na natureza” para uma série de desafios sociais relacionados à água.

    Sendo assim, a Suzano reconhece a importância da água como recurso vital para o equilíbrio dos ecossistemas e para a própria perenidade de seu negócio, tendo compromisso garantir a disponibilidade e o acesso à água de qualidade para os diferentes usuários das bacias hidrográficas em que opera, a partir da:

     

    • proteção e monitoramento de rios e nascentes;
    • análise de riscos e mitigação de impactos decorrentes de suas operações,
    • gestão e controle da captação de água pela operação florestal;
    • restauração ecológica de ambientes degradados e;
    • conscientização e educação ambiental de funcionários e comunidades vizinhas.

     

    Nesse sentido, em relação à gestão da água, são estabelecidas diretrizes para monitorar os recursos hídricos, permitindo avaliar a qualidade e a disponibilidade de água nos corpos d’água, influenciados pelo manejo florestal da Suzano, bem como nortear as tomadas de decisões, como a melhoria e adequação do manejo florestal e o atendimento aos direcionadores estabelecidos pela companhia.

    Atualmente são consideradas na gestão da água na floresta demandas associadas à legislação vigente e/ou condicionantes das licenças; requisitos de certificações florestais; acordos internacionais (como Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável; Década da Restauração da ONU; Iniciativa 20×20, entre outros); acordos setoriais e multilaterais (como Fóruns Florestais e IBÁ); parcerias com universidades, empresas, governo e ONGs (ESALQ/USP, P&G, SONOCO, IEF, TNC e Instituto Terra); demandas de partes interessadas (como sobreposição pelo uso da água) e plataformas globais de divulgação da gestão sobre o impacto (CDP, DJSI, GRI, WaterFootprint, entre outros).

     

    Gestão e identificação de riscos e oportunidades

    O uso de água pelas atividades operacionais é regulamentado por órgão público estadual que, dependendo da disponibilidade hídrica de cada recurso e do volume necessário para os demais usuários, estabelece a quantidade de água máxima a ser utilizada pela empresa. As captações irregulares, ou seja, em locais sem autorização do órgão ou com volume diário acima do permitido, implicam em riscos ambientais, podendo afetar a disponibilidade de água, contaminar o solo ou a água e ocasionar em riscos legais, com responsabilidades administrativas ou criminais. Os riscos associados ao consumo de água são a redução da vazão à jusante, erosão e assoreamento, contaminação devido a descarte de efluentes e aplicações de multas nas esferas estaduais e federais devido a infrações da legislação relacionadas aos recursos hídricos.

     

    Gestão da Suzano e compromissos assumidos

    A base florestal da Suzano encontra-se distribuída em diversas bacias hidrográficas de relevância no Brasil, as quais possuem distintos ambientes, usos e ocupações e demandas por uso da água.
    Frente a esta diversidade, a Suzano busca ampliar o uso eficiente da água na floresta e ser hidro solidária sobre este recurso. No começo de 2020, a empresa assumiu o compromisso de “aumentar a disponibilidade hídrica em 100% das bacias hidrográficas críticas até 2030” (Disponível em Metas de Longo Prazo). As bacias hidrográficas críticas são aquelas sujeitas à falta de disponibilidade de água devido a características naturais (tais como clima e tipo de solo) e tipo de uso da terra. A Suzano está concentrando os esforços em bacias hidrográficas com ocupação significativa pela empresa (igual ou superior a 30%), para que as práticas adotadas pelo manejo florestal possam ter efeito e gerar os melhores resultados para reverter a criticidade dessas bacias.

    Para aplicar as ações técnicas de manejo na floresta bem como compreender a oferta/demanda da água nas bacias hidrográficas, a Suzano conta com uma robusta rede de monitoramento ambiental. Em 1990 iniciou o Projeto Microbacias, e atualmente conta com 15 microbacias hidrográficas equipadas com sensores para computar o balanço hídrico e ampliar a compreensão das relações e efeitos do manejo florestal em locais com representatividade do modelo de produção da Suzano. A empresa possui uma rede de 83 estações meteorológicas próprias distribuídas em sua base florestal para avaliar os efeitos do clima sobre a produtividade das florestas e a oferta de água nas bacias hidrográficas. Adicionalmente, conta com uma rede de seis torres de fluxo, equipamentos que realizam o balanço de água e carbono em altíssima frequência de monitoramento.

    A Suzano possui uma parceria de mais de 10 anos com o Programa Cooperativo sobre Monitoramento Ambiental em Microbacias Hidrográficas (PROMAB), o qual é coordenado pelo Laboratório de Hidrologia Florestal do Departamento de Ciências Florestais da ESALQ/USP. Esse programa cooperativo entre empresas do setor e universidade tem um importante papel de gerar conhecimento sobre as melhores práticas de manejo, trazer transparência sobre o negócio através de inúmeras publicações científicas e fomentar pesquisas futuras para o desenvolvimento e sustentabilidade do tema.
    Para ampliar a gestão de recursos hídricos e solucionar e minimizar os riscos, em 2020, a Suzano criou um Grupo de Gestão de Recursos Hídricos corporativo. Por meio do gerenciamento de informações relacionadas à água, o grupo está trabalhando para criar relações e estratégias de comunicação com as partes interessadas, a fim de demonstrar o uso responsável do recurso natural e viabilizar as recomendações de manejo hídrico da floresta. Uma importante ação desta estratégia é a ampliação da sua participação em comitês locais de Bacias Hidrográficas, para discutir o uso da água em conjunto com os representantes do poder público, empresas e sociedade civil.

    A Suzano, ainda, realiza o procedimento operacional padrão, que tem por objetivo orientar e fornecer apoio técnico às áreas operacionais para o manejo sustentável do recurso hídrico. A operação é instruída quanto ao planejamento, captação e uso da água na Silvicultura, Colheita e Logística. Desta forma, a captação de água é monitorada diariamente pela área de meio ambiente da companhia. O monitoramento inclui a verificação de onde é permitida a retirada de água, a licença de captação emitida pelo órgão ambiental e o volume capturado em cada local, com sua localização geográfica e nome do curso d’água, o que agiliza a identificação, controle e correção de eventuais desvios.

    Como política interna, a organização possui uma Matriz de Gestão dos Aspectos e Impactos Ambientais, a qual identifica as atividades do manejo florestal que podem impactar a qualidade e a disponibilidade de água e estabelece medidas de controle. Assim, são realizados monitoramentos periódicos para avaliação da qualidade e disponibilidade hídrica em todas as unidades da companhia, onde pontos de amostragem foram estrategicamente plotados (representativos do modelo de produção e cobertura) para estabelecer uma possível relação entre as áreas de plantio / colheita de eucalipto da empresa e as condições dos recursos hídricos (vazão e qualidade da água, chuva e resultados laboratoriais), localizados na bacia hidrográfica em que a Suzano opera.

    Desta forma, o manejo florestal adequado promove diversos serviços ecossistêmicos, dentre eles, o de provisão de água doce e regulação da qualidade da água, que beneficiam não somente a produção florestal, como também o abastecimento de água de qualidade aos diferentes usuários das bacias em que atuamos.

    Para saber mais sobre as bacias hídricas monitoradas pela Suzano, acessar o indicador “Número total de bacias hidrográficas monitoradas quanto à qualidade e disponibilidade de recursos hídricos”.