Cadeia de Valor (fornecedores e clientes)

Entendimento das necessidades e potencialidades de nossos clientes, com o propósito de oferecer produtos e soluções sustentáveis, por meio de um relacionamento que privilegia vínculos de longo prazo. Gestão de fornecedores em conformidade com os critérios socioambientais da companhia, visando ao desenvolvimento de fornecedores locais e à redução de impactos adversos em toda a cadeia de valor.

Indicadores relacionados
  • Filtrar por categoria

  • Filtrar por tag

  • Análise do ciclo de vida ambiental de produtos (papel)

    Contexto:

    Uma grande preocupação da unidade de Papel e Embalagens é sempre desenvolver produtos com o menor impacto ambiental e, ao mesmo tempo, trazer soluções ao mercado que que sejam pautados por uma visão sistêmica e sustentável, baseada em fatos e dados concretos. Por isso, uma metodologia já utilizada para a linha de papelcartão é a Análise de Ciclo de Vida.

    As análises de ciclo de vida começaram a ser utilizadas como balizadoras em nossos desenvolvimentos de produto na linha de papelcartão, principalmente no desenvolvimento do novo produto TP Cycle, fornecendo insumos técnicos para que possamos garantir o menor impacto ambiental possível ao longo de todo seu ciclo de vida, principalmente quando comparado com produtos análogos e equivalentes, feitos a partir de fibra virgem. Deste modo, a inserção de fibras recicladas em nosso processo produtivo foi direcionada por essa metodologia.

    Entendemos que não adianta endereçar a problemática de resíduos sólidos em nossos produtos e passarmos, por exemplo, a ter processos mais demandantes de água ou, então, mais emitentes de Gases de Efeito Estufa. Não é mais suficiente pensar em um “ou” outro, e sim em um “e” no outro. Entendendo isso e não nos prendendo à uma única alternativa, trabalhamos também para a reinserção de fibras pós consumo de papelcartão na produção de nossos fornecedores de caixas de papelão, que hoje são utilizadas para embalar nossas resmas de cutsize. Essa alternativa é vantajosa por dois principais fatores: o primeiro é sua escalabilidade, visto que, nesse caso, o potencial produtivo da cadeia do papelão após absorver o material pós consumo é substancialmente maior que a do papelcartão. O segundo se refere à mitigação dos impactos ambientais. Como o papelão atualmente já pode ser produzido com este tipo de insumo sem grandes alterações de processo, os impactos de reinserção causados por perdas técnicas no produto final são minimizados quando comparados com a produção de papelcartão dessa mesma categoria.

     

    Uso de fibras recicladas/recuperadas

    A decisão de incorporar fibras pós consumo recicladas (baseada pelas análises de ciclo de vida realizadas) foi sinônimo de Inovação em 2020 para a Suzano, que com isso lançou o TP Cycle, um novo produto de seu portfólio do papelcartão. Para otimizar o abastecimento deste novo insumo, firmamos uma parceria com a empresa EuReciclo, a fim de garantir a qualidade do material e também sua rastreabilidade. O valor do mesmo varia diretamente de acordo com a disponibilidade do mercado, sendo essa muito dependente do engajamento do consumidor final, que deve descartar corretamente suas embalagens. Além disso, a Suzano já possuía o Reciclato, tanto para a linha de não revestido quanto na versão Cut Size, produzidos integralmente com fibras recicladas. Falando especificamente do Reciclato cut size, temos focado cada vez mais no aumento da oferta desse produto para o mercado europeu, dado seu grande diferencial e a grande preocupação desse mercado com a temática de reciclagem.

    No desenvolvimento do TP Cycle, que depende de abastecimento de fibras recicladas externas, sentimos o impacto da pandemia no fornecimento da matéria prima, principalmente as de maior qualidade e advindas exclusivamente de papelcartão. Por ser um produto destinado ao mercado de cosméticos/ farmacêutico, o papelcartão precisa apresentar alto índice de pureza, excelente apresentação e maior rigidez. Assim, por esse motivo, o abastecimento de fibras pós consumo precisa ser criterioso. Além disso, nosso processo de desagregação não suporta contaminantes como plástico e metal, que observamos ainda serem presentes nos fardos desse material. Em parceria também com a Eureciclo, buscamos melhorar cada vez mais o processo de auditoria e homologação dos fornecedores desse insumo.