Manejo Florestal

Planejamento e manejo florestal sustentáveis que favoreçam a produtividade dos plantios, o controle de doenças e pragas, a manutenção da biodiversidade, a preservação ambiental e a prestação de serviços ecossistêmicos – gerando um ciclo virtuoso.

Indicadores relacionados
  • Filtrar por categoria

  • Filtrar por tag

  • Área total certificada, por tipo de certificação

    Mudar visualizacão:

    • wdt_ID Área total certificada, em hectares, por tipo de certificação¹ 2019 2020
      1 FSC®² e PEFC/Cerflor 1.636.031,35 1.632.182,26
    1. Para o cálculo da área de plantio certificada, são consideradas exclusivamente áreas operacionais, onde ocorre o plantio de eucalipto sob a gestão da Suzano, sendo excluídas áreas de fomento, áreas repassadas aos fundos de investimentos e áreas que no planejamento de suprimentos não são consideradas para abastecimento das unidades industriais (como as áreas localizadas no Piauí e em Urbano Santos). 2. Códigos de Licença: Manejo Florestal BA - FSC-C155943; Manejo Florestal ES - FSC-C110130; Manejo Florestal MS - FSC-C100704; Manejo Florestal MA - FSC-C118283; Manejo Florestal SP - FSC-C009927; Cadeia de Custódia - Unidades no Brasil - FSC-C010014; Cadeia de Custódia - Europa, América,, China e Suiça - FSC-C012430; Cadeia de Custódia - Centro de Distribuição no Brasil e Argentina - FSC-C003231.

    Informações complementares:

    A Suzano possui um Plano de Manejo Florestal para cada região em que atua, concentrando nesse documento todas as informações, documentos, relatórios, registros e mapas que descrevem, justificam e regulam atividades a serem executadas por qualquer gestor, equipe ou organização, com ou sem relação com a unidade de manejo, incluindo os programas socioambientais e declarações de objetivos e políticas.

    Para as áreas não certificadas a Suzano realiza o Programa de Verificação (due diligence) com base na norma para Madeira Controlada, FSC-STD-40-005, garantindo que essas áreas:

     

    • atendam a toda legislação aplicável, respeitando o direito à propriedade, posse e uso pacífico da terra,
    • não comprometam as áreas de alto valor de conservação;
    • respeitem os direitos humanos;
    • garantam os direitos dos povos indígenas e comunidades tradicionais;
    • garantam os direitos dos trabalhadores, incluindo questões relacionadas a saúde e segurança e seguindo os Princípios Fundamentais da Organização Internacional do Trabalho (OIT); e
    • não realizem a conversão de áreas nativas em plantações comerciais de madeira.

     

    A avaliação de madeira controlada é verificada anualmente em auditorias e as práticas de manejo florestal implementadas nessas áreas (não certificadas) são equivalentes às práticas em áreas florestais certificadas. Em ambas ocorre a avaliação de inventário florestal, o monitoramento e controle de pragas e doenças florestais e a adoção de práticas de manejo que buscam minimizar os impactos à biodiversidade (como a restauração ecológica, proteção de nascentes e rios e monitoramentos de biodiversidade e hidrológicos).

    Temos equipes focadas em formar florestas produtivas e sustentáveis, sempre seguindo as melhores práticas silviculturais, de colheita e logística disponíveis, e os padrões de qualidade e segurança exigidos pela empresa.

    Possuímos autorização da CTNBio (Comissão Nacional de Biossegurança – Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações) para desenvolver pesquisas com eucalipto transgênico, tanto em laboratório quanto em campo. É importante ressaltar que não utilizamos comercialmente florestas de eucalipto geneticamente modificado – realizamos as pesquisas apenas para conhecer e avaliar o potencial desta tecnologia e dos possíveis riscos associados a ela. Essas pesquisas são conduzidas em áreas que não estão incluídas no escopo das certificações ambientais

    O transporte e armazenamento de produtos químicos são realizados conforme a legislação brasileira vigente e em atendimento aos padrões FSC® e CERFLOR, bem como o relacionamento com as comunidades tradicionais e indígenas, que se dá de maneira participativa e de forma a promover a autonomia dessas regiões.

    Em função da COVID-19, em 2020 as auditorias externas foram realizadas de forma remota no Espírito Santo e Maranhão, e de forma mista em São Paulo e no Mato Grosso do Sul. A auditoria na Unidade da Bahia foi transferida para 2021. Não houve inclusão de novas áreas no escopo de certificação.

    Em 2020, a empresa manteve as certificações de manejo florestal em todas as unidades florestais.