Manejo Florestal

Planejamento e manejo florestal sustentáveis que favoreçam a produtividade dos plantios, o controle de doenças e pragas, a manutenção da biodiversidade, a preservação ambiental e a prestação de serviços ecossistêmicos – gerando um ciclo virtuoso.

Indicadores relacionados
  • Filtrar por categoria

  • Filtrar por tag

  • Impactos significativos de atividades, produtos e serviços sobre a biodiversidade

    Contexto:

    A Gestão dos Aspectos e Impactos Ambientais (GAIA) define o modelo para identificação e avaliação de aspectos e impactos ambientais dos produtos, atividades e serviços da Suzano nas Unidades Florestais.

    Os aspectos e impactos ambientais das áreas produtivas florestais são identificados e registrados em uma Matriz de Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais (Matriz AIA), para cada unidade florestal. A metodologia é validada corporativamente e, a partir disso, os impactos que foram classificados como significativos define medidas de controle para evitar, reduzir e mitigar os efeitos.

    Os impactos ambientais diretos e indiretos identificados e classificados como significativos sobre a biodiversidade podem envolver alteração da qualidade física do solo, possibilidade de contaminação e alteração da qualidade do solo, alteração da fauna silvestre, escassez do recurso hídrico e assoreamento dos cursos d‘água, contaminação e alteração da qualidade do ar. Para todos, medidas de controle são implementadas de modo a evitar ou mitigar os efeitos, de maneira a não ocorrerem e não prejudicarem a qualidade ambiental do ambiente. Além destes, há também um impacto positivo significativo relacionado à redução do efeito estufa, a partir do sequestro de carbono realizado pelas florestas plantadas e nativas.

    Apesar de não ser classificado como um impacto significativo, a invasão de espécies exóticas invasoras situadas nas áreas de conservação da companhia foram mapeadas e possuem impacto para a biodiversidade local, uma vez que pode retardar ou inviabilizar o desenvolvimento da regeneração natural em algumas áreas. São exemplos de espécies exóticas invasoras identificadas: Pinus sp.; Acácia (sobretudo Acacia mangium e A. auriculiformis); sabiá (Mimosa caesalpiniifolia), dendezeiro (Elaeis guineensis), leucena (Leucaena leucocephala) e outras espécies, em menor intensidade.

    Sob a ótica da metodologia de Avaliação de Impactos Ambientais, as equipes responsáveis possuem definição de medidas de controle para evitar ou mitigar todos os impactos ambientais classificados como significativos nos processos florestais.

    Além disso, a Suzano realiza monitoramentos periódicos para a avaliação da perpetuidade da biodiversidade em todas as unidades da companhia, onde pontos de amostragem são estrategicamente estabelecidos para o levantamento destes estudos. Os monitoramentos de biodiversidade (fauna e flora) são realizados desde 2008 na Bahia e Mato Grosso do Sul, 2009 em São Paulo, 2012 com nova metodologia no Espírito Santo e Minas Gerais, e desde 2013 no Maranhão.